11 de fevereiro de 2017

Wimbledon: uma visita ao templo sagrado do tênis

Thamara Gomes e Tiago Domingos, casal de tenistas de Aparecida-SP, contam os detalhes da visita a Wimbledon ao site do Café com Tênis!!!! 😉

thamaragomesetiagodomingos-Wimbledon-cafecomtenis2017-3

Esqueça a troca da guarda no Palácio de Buckingham, a London Eye e Abbey Road. Se você gosta mesmo de tênis, o ápice de sua viagem a Londres será Wimbledon!

Temos que confessar, nossa primeira opção, já que também visitamos Paris na mesma época, era Roland Garros, mas o tour estava suspenso por conta da preparação para o torneio. Decidimos, então, que a visita ao local onde é realizado o mais tradicional torneio de tênis do mundo estaria em nosso roteiro durante a estadia em Londres.

Compramos os tickets antecipadamente pelo site da entidade (www.wimbledon.com). Pagamos 24 libras por ingresso, com direito ao tour e também à vista ao museu. Não foi barato, mas valeu a pena! O local não fica próximo ao centro turístico de Londres, mas é possível chegar de ônibus e metrô.

Nosso dia começou cedo, às 11h estávamos em Stamford Bridge para fazer a visita guiada ao estádio do Chelsea, aproveitando que era na mesma direção de Wimbledon. O passeio (tour+museu+loja do clube) terminou por volta de 12h30 e apressamos o passo para chegar ao The All England Lawn Tennis Club, já que estávamos agendados para às 14h.

Paramos na estação de metrô para nos informarmos sobre o melhor caminho até lá. Contamos com a atenção de um funcionário da empresa de transporte que nos indicou um ônibus que nos deixaria praticamente na porta de Wimbledon. E lá fomos nós!

thamaragomesetiagodomingos-Wimbledon-cafecomtenis2017-2

Chegar lá e ver aquele complexo de tênis já foi uma emoção e tanto. Apresentamos nosso voucher e retiramos os ingressos que, na forma de crachá, fizeram com que eu me sentisse uma atleta chegando para o Grand Slam.

thamaragomesetiagodomingos-Wimbledon-cafecomtenis2017- Ingresso para tour e museu

Ingresso para tour e museu

Conhecemos as quadras adjacentes, sala de imprensa, estúdio de tv, espaço de convivência dos atletas e, finalmente, a quadra central. Em nenhum momento, por razões óbvias, pudemos pisar ou tocar na grama sagrada, tinha até cerca elétrica. Ela é preservada para o torneio. O tour (em inglês) dura cerca de 1h30 e é recheado de boas histórias e curiosidades sobre o mundo do tênis. Vale destacar a simpatia do guia, seu domínio e conhecimento sobre aquele espaço e sobre o campeonato.

thamaragomesetiagodomingos-Wimbledon-cafecomtenis2017-Sala de Imprensa - Coletivas

Sala de Imprensa – Coletivas

thamaragomesetiagodomingos-Wimbledon-cafecomtenis2017-Nem tente tocar na grama! Cerca elétrica

Nem tente tocar na grama! Cerca elétrica

Na sequência, você ainda pode visitar o Museu de Wimbledon. Que lugar fantástico! A história desse esporte está ali, em detalhes. Há áudio-guia em português e muitos pontos de interação com o visitante. Separe um bom tempo também para esta etapa da visita. O ponto alto ficou por conta da experiência de realidade virtual que o museu oferece. Em uma pequena sala, fomos convidados a colocar os óculos VR e curtir alguns momentos da final do ano passado como se estivéssemos na primeira fila da arquibancada. Espetacular!

thamaragomesetiagodomingos-Wimbledon-cafecomtenis2017-Troféu feminino

Troféu feminino

thamaragomesetiagodomingos-Wimbledon-cafecomtenis2017-Troféu exposto no museu

Trofeu exposto no museu

thamaragomesetiagodomingos-Wimbledon-cafecomtenis2017-1

Wimbledon

thamaragomesetiagodomingos-Wimbledon-cafecomtenis2017-Quadra central

Pra terminar, a loja oficial. Prepare-se para gastar algumas libras! São muitas opções de lembranças e produtos personalizados.

Infelizmente, o complexo fecha às 17h e acabamos saindo de lá neste horário. Com um pouco mais de tempo, teríamos aproveitado melhor o museu.

Acredite, vale a pena reservar um dia para conhecer Wimbledon!

Thamara Gomes e Tiago Domingos, tenistas de Aparecida

One Comment on “Wimbledon: uma visita ao templo sagrado do tênis

[…] Thamara Gomes conta detalhes sobre sua visita à Roland Garros […]

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *